Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

5 Perguntas a se fazer antes de optar por uma franquia

5 Perguntas a se fazer antes de optar por uma franquia
15:00 pm ,29 de junho de 2017

O franchising é, reconhecidamente, um sistema com grande potencial para o sucesso, que tem, naturalmente, atraído olhares de pessoas interessadas em abrir seu próprio negócio. Porém, além do capital e da vontade do empreendedor, é necessário realizar uma vasta pesquisar para identificar com qual marca e franqueadora trabalhar.

“A relação franqueado-franqueadora deve ser algo satisfatório e compensatório para ambas as partes, com acordos previamente discutidos e concordados de maneira transparente, haja vista que essa relação é estabelecida para perdurar a longo prazo, em geral cinco anos, o que só se sustenta pela confiança e comprometimento”, pontua o sócio-presidente da ba}STOCKLER, Luis Henrique Stockler, especialista em desenvolvimento de negócios em rede.

Segundo Stockler, além de ter identificação com a marca, o produto ou o serviço, o novo candidato à franquia, precisa realizar uma intensa pesquisa sobre a idoneidade da franqueadora, tanto no aspecto jurídico, quanto no comercial para identificar os pontos fortes e fracos da operação. “Avaliar a Circular de Oferta de Franquia (COF) é outro cuidado que se deve ter, bem como checar a vacância da região onde o candidato pretende atuar e o respaldo que a franqueadora oferece na localização do ponto de venda”, destaca o especialista, apontando também que sejam feitas entrevistas com franqueados e ex-franqueados – no mínimo, três de cada perfil: novos e antigos franqueados, que tenham ponto perto e longe da sede da franqueadora. Entre as perguntas-chave, Luis Henrique Stockler destaca:

Você está satisfeito?
Essa primeira questão, direcionada aos atuais franqueados, certamente trará os pontos principais para entender a situação fática da relação destes com a franqueadora. “Em geral, o franqueado sempre tem coisas a reclamar, mas é importante evidenciar, sequencialmente à pergunta feita, o porquê, mesmo diante às insatisfações, ele continua com a marca. Ao obter as razões e contrarrazões, o candidato conseguirá fazer uma análise deste cenário de forma mais balanceada”, comenta Stockler.

Você abriria mais unidades com essa franqueadora?
Crescer e expandir o negócio é o desejo de nove em cada 10 empresários. É a resposta natural do sucesso e da resposta positiva do mercado. No franchising, o caminho presumido para esse crescimento é, no geral, abertura de novas unidades, seja com a mesma marca ou outra. “Só o franqueado com bom relacionamento com a marca e com o franqueador investirá ainda mais no negócio”, explicita Luis Henrique Stockler.

O franqueador fornece todo o suporte que prometeu?
Na hora da negociação, as franqueadoras costumam prometer e ofertar apoio em diversas frentes que, às vezes, por diversos motivos, podem não ser atendidas na totalidade ou da forma como o franqueado esperava. “Com esse questionamento, o candidato tem uma visão do que poderá cobrar do franqueador e no que ele ainda é falho, protegendo-se, na negociação, desse aspecto, o que lhe dará margem maior para negociação”, indica o especialista.

O suporte atinge a expectativa do que você esperava?
O suporte ao franqueado é uma das premissas básicas no franchising, seja de marketing, consultoria, planejamento, gestão etc., e deve ser feito de acordo como o prometido. “A distância – perto ou longe do escritório principal – pode interferir na dedicação que a franqueadora dá ao franqueado, incidindo em diferenciação de dedicação quanto a novos ou antigos contratos. “Este é um ponto crucial, que pode contribuir para o sucesso de toda a operação. A distância não pode mitigar o fluxo de informação e de comprometimento com os franqueados. Uma boa franqueadora possui consultores de campo ativos, fazendo o corpo-a-corpo necessário com os franqueados”, lembra Luis Henrique Stockler.

Você conseguiu o retorno sobre o investimento prometido?
Neste ponto, é possível ter uma previsão mais realista do quanto esperar e quais os prazos médios para esses ganhos. “Esse levantamento permite ao candidato planejar, de maneira concreta, quanto irá investir, no que precisará economizar, quando e quanto terá retorno, prevendo as possibilidades e estando mais preparados para as constatações financeiras a curto, médio e longo prazo”, afirma o especialista.

Fora do universo franqueado-franqueadora, o candidato precisa explorar e entender também o que motivou ex-franqueados a saírem do negócio. Nessa etapa, as informações a serem obtidas, segundo Stockler, são:

6. Por que saiu da rede?
“O motivo pode até ser pessoal: aposentadoria, falta de tempo, não identificação com o negócio ou outros, mas o importante é entender como foram os procedimentos para o desfecho, se houve o mesmo profissionalismo do início. “É importante o candidato saber como será o tratamento caso haja, futuramente, a opção por sair do negócio. Lidar com a realidade dos fatos minimiza os desgastes e expõe até onde se está disposto a ir na nova empreitada”, comenta o sócio-diretor da empresa.

Em linhas gerais, o especialista explica que a negociação de uma franquia é uma dança ou um jogo de sedução. “Nenhum dos lados joga todas as cartas na mesa logo de cara. Ambos se expõem aos poucos, falam de si conforme sentem segurança na relação e nos caminhos que se apresentam para os próximos passos”, finaliza.

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados