Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

A alta do dólar e o impacto no dia a dia do brasileiro

A alta do dólar e o impacto no dia a dia do brasileiro
11:06 am ,4 de novembro de 2015

Muito se comenta sobre o impacto da alta do dólar nas viagens internacionais, muitos brasileiros assistem decepcionados a alta do dólar e o sonho de viajar ficando cada vez mais distante, e as compras nos sites chineses ficando cada vez menos vantajosas.

O que poucos enxergam são os impactos da alta do dólar no dia a dia da população em geral. “Todos irão sentir direta ou indiretamente os efeitos da escalada do dólar, uma vez que boa parte de nossa produção está atrelada ao dólar em função dos insumos, equipamentos e alguns custos indiretos.” Diz Fábio Yamamoto, sócio da Tiex, empresa de consultoria e gestão corporativa.

Abaixo, Fábio Yamamoto explica como a variação do Dólar influência em produtos e serviços do dia a dia dos consumidores brasileiros:

Pão nosso de cada dia
Peguemos o exemplo do trigo, grande parte do trigo consumido no País é importado, e tem origem principalmente dos Estados Unidos e Argentina, portanto comprados em dólar, desta forma a alta do dólar deve impactar produtos cuja principal matéria prima é o trigo, farinha, pães e macarrão.

Gasolina Medicamento e Cosméticos
O combustível é outro bom exemplo, dado pelo especialista. O Brasil importa cerca de US$ 20 bilhões por ano de petróleo e derivados. Por este motivo apesar do preço do combustível ser controlado por uma estatal, este sofre inegável pressão com a alta do dólar. Os efeitos são os mais diversos, além do preço na bomba, sentido diretamente pelo consumidor, o aumento dos custos logísticos é outro item relevante que sofrerá pressão pela alta do dólar, uma vez que o custo com combustíveis pode variar entre 15% a até 40% do custo do frete rodoviário.

Outros produtos presentes no dia a dia do consumidor também devem sofrer pressão.

Os medicamentos e cosméticos podem sofrer alterações também para os consumidores. “No caso dos remédios, eles devem ter autorizados reajustes de forma a repassar parte da variação cambial. Já os cosméticos devem ter o preço diretamente afetado uma vez que mesmo produtos nacionais se utilizam de insumos importados.” Diz Fábio

Carnes
Segundo explica Fábio, mesmo produtos cuja importação e insumos importados não são relevantes, como as carnes (bovina, suína e frango) passam a ser atrativas para exportação. De forma que acabam elevando indiretamente os preços no mercado interno devido à menor oferta e pela equalização do preço a cotação da carne exportada. Ou seja, para vender no mercado local, o produtor espera receber similar ao exportar o produto.

Serviços e Contratos de Aluguel
Outro efeito de extrema relevância é a pressão que a alta generalizada de preços vai exercer sobre a inflação, que consequentemente gera outros efeitos para nosso dia a dia, como reajustes de contratos de aluguel, contratos de prestação de serviços, dissídios que afetam diretamente os custos das companhias gerando o aumento dos preços, especialmente na indústria de serviços – aumento das taxas de juros, apenas para citar alguns.

Há ainda uma ampla gama de produtos e até mesmo serviços que podem sofrer pressão por conta da alta do dólar, como produtos eletrônicos, veículos, serviços que dependem de alta tecnologia, entre muitos outros.

Não está ruim para todo mundo
Segundo o especialista há quem se beneficie com a alta do dólar. Veja alguns dos exemplos listados por Yamamoto:

Turismo Nacional no Final de Ano
O turismo doméstico pode ser influenciado positivamente. Brasileiros que mesmo com a crise ainda pretendem viajar podem trocar os destinos internacionais pelos pontos turísticos do Brasil, bem como o país passa a ser um destino atrativo a turistas estrangeiros em função do fortalecimento do dólar.

Empresas Exportadoras
As empresas classificadas como exportadoras que tem boa parte de seus custos em reais, e uma parcela ainda mais significativa de suas receitas em dólar são beneficiadas neste cenário.

Contudo os efeitos positivos dificilmente superam os aspectos danosos do câmbio exageradamente elevado. “Todos nós devemos ficar preocupados com a valorização do dólar frente ao real, pois os impactos em nosso dia a dia são muito maiores e complexos do que podemos imaginar.” Finaliza Fábio Yamamoto.

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados