Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Boleto bancário: é possível emitir como pessoa física?

Boleto bancário: é possível emitir como pessoa física?
14:31 pm ,7 de novembro de 2019

O número de trabalhadores autônomos no Brasil já chegou a 24 milhões em 2019. A informação foi apresentada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2019. O dado é considerado um recorde da série histórica instituída em 2012. Dentre as causas apontadas por especialistas, a crise econômica e o desemprego são alguns dos principais fatores para essa quantidade de profissionais autônomos.

Nesse contexto, quem já trabalha de forma independente, mas ainda não se formalizou como pessoa jurídica, precisa pensar em estratégias para gerar renda. Para esse tipo de profissional, o processo de cobranças e de recebimento de pagamentos é fundamental para garantir os lucros.

Assim, quem busca mais praticidade nos recebimentos pode perceber vantagens em emitir boletos como pessoa física. Saber mais sobre esse meio de pagamento e como a emissão é realizada é o primeiro passo nessa direção.

O que é o boleto bancário?

De acordo com o portal da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o boleto bancário funciona como um instrumento de pagamento relacionado a um produto ou serviço adquirido. Então, é por meio dele que o emissor da cobrança recebe o valor pago em sua conta. Ainda segundo a Febraban, cerca de 3,5 bilhões de boletos são pagos anualmente no Brasil. Dessa forma, o boleto é considerado um dos principais meios de cobrança do país atualmente.

Vale a pena adotar este método?

O dinheiro ainda é um dos meios utilizados com maior frequência no Brasil, segundo uma pesquisa do Banco Central em 2018. Além disso, dados do Banco Mundial também revelam que pelo menos 1,7 bilhão de pessoas ao redor do mundo não possui conta bancária. Até mesmo as pequenas empresas brasileiras já foram atingidas pela desbancarização, como demonstrado em pesquisas do Sebrae. Logo, ao estabelecer uma forma de recebimento é preciso considerar essa realidade.

O boleto é aceito em todo o país e pode ser pago mesmo por quem não possui conta em banco. Em comparação com o cartão de crédito, as tarifas cobradas na emissão de boleto geralmente são menores e os prazos de disponibilização do saldo podem ser mais rápidos. A segurança desse método em relação a outros também é um fator que deve ser considerado. Portanto, definir o boleto como uma forma de cobrança pode simplificar os recebimentos e influenciar na lucratividade.

Pessoa física pode emitir?

Existe sim a possibilidade de emitir boleto como pessoa física. No entanto, o processo de emissão pode ser mais burocrático quando acontece por meio de uma instituição bancária. Afinal, a disponibilidade do banco deve ser verificada junto à agência na qual deseja-se emitir. Além disso, alguns fatores, como as condições, processos, tarifas e validações, podem variar de acordo com o banco.

Como emitir boleto pelo banco?

Quem opta pelo banco, pode realizar a emissão por meio da carteira registrada. Porém, é necessário verificar quais os processos envolvidos na emissão da carteira. Como a emissão fica ligada ao relacionamento entre o banco e o correntista, o procedimento pode ser complexo e mudar conforme as regras internas de cada banco.

Como emitir boleto online?

Os sistemas de pagamento online são uma outra opção para gerar boletos. Eles funcionam como um intermediador entre o emissor e as instituições bancárias. Ao utilizar esse tipo de plataforma, é possível emitir boleto como pessoa física e ter mais controle sobre o processo.

Empresas como a Gerencianet simplificam a emissão para quem ainda não se formalizou como pessoa jurídica. Na plataforma, a ação pode ser realizada após o cadastro no aplicativo para Android ou iOS. Após o procedimento de abertura de contas, é possível gerar a cobrança tanto pelo computador quanto pelo aplicativo. Outra vantagem é que o processo fica mais econômico. Ao contrário dos bancos, a tarifa é cobrada apenas para cobranças pagas, eliminando a cobrança por emissão, alteração ou baixa manual.

O emissor ainda pode configurar juros e multas, acompanhar a situação do pagamento, encaminhar a cobrança para o e-mail ou WhatsApp do consumidor e contar com outras possibilidades. Além de gerar boletos, a plataforma ainda oferece outras soluções de pagamento, como carnês, cobranças recorrentes, links de pagamento e marketplace.

Para quem busca facilitar o processo de emissão de cobranças, este outro artigo detalha o passo a passo de como emitir boletos.

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados