Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Brasil tem cerca de 13 mil pacientes com Hemofilia

Brasil tem cerca de 13 mil pacientes com Hemofilia
16:13 pm ,6 de fevereiro de 2020

A hemofilia é uma doença hemorrágica que causa sangramentos espontâneos desde o primeiro ano de vida. Congênita e hereditária, a doença ocorre devido à deficiência de uma proteína de coagulação do sangue, podendo ser de dois tipos: Hemofilia A e Hemofilia B. O que poucos sabem é que a mutação que causa a hemofilia fica localizada no cromossomo X. Por isso, em geral, as mulheres não desenvolvem a doença, apesar de poderem ser portadoras da mutação. Neste caso, o filho do sexo masculino é que pode manifestar a enfermidade.

Segundo a Federação Brasileira de Hemofilia (FHB), existem 13 tipos diferentes de fatores de coagulação, que são ativados apenas quando ocorre o rompimento de um vaso sanguíneo, onde a ativação do primeiro leva à ativação do seguinte até que ocorra a formação do coágulo pela ação dos 13 fatores. Na hemofilia A, há deficiência do Fator VIII (fator oito da coagulação) e na Hemofilia B, há deficiência do Fator IX (fator nove da coagulação).

Para se ter uma ideia do qual rara é esta condição genética, sua prevalência é de aproximadamente 1:10.000 nascidos vivos para Hemofilia A e 1:50.000 para Hemofilia B. Apesar de diferentes em níveis de severidade, ambas apresentam sintomas semelhantes já nos primeiros anos de vida. Entre eles, manchas roxas na pele; inchaço e dor nas articulações; sangramentos espontâneos, sem razão aparente, como na gengiva ou nariz; hemorragias difíceis de parar após um simples corte ou cirurgia. A partir da aparição destes sintomas, o diagnóstico é feito por meio de um exame de sangue que mede a dosagem do nível dos fatores VIII e IX de coagulação sanguínea.

A hemofilia não tem cura, mas possui tratamento a partir da reposição do fator de coagulação deficiente. O tratamento está disponível em todo o território brasileiro, e é coordenado pelo Ministério da Saúde e da Secretaria de Atenção à Saúde (SAS) – departamento de Atenção Especializada, com equipes técnicas que atuam na logística do fornecimento das medicações que são todas importadas.

Entre os cuidados indicados aos pacientes, podemos citar a prática regular de exercícios que fortaleçam a musculatura (sendo desaconselhadas atividades com impacto). Além disso, os casos de sangramento devem receber pronto tratamento para evitar sequelas musculares e articulares. Para isso, o paciente deve procurar atendimento em centro de referência tratador de hemofilia, onde receberá a terapia mais indicada para cada caso. É certo que um paciente tenha algumas restrições mas, com o tratamento adequado, é possível seguir com qualidade de vida.

Dra. Selma Soriano – Hematologista do Hsanp

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados