Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

Scroll to top

Top

Brasileiro vai gastar menos no Dia dos Namorados

Brasileiro vai gastar menos no Dia dos Namorados
14:00 pm ,1 de junho de 2016

Com a renda mais curta e o desemprego aumentando, o consumidor brasileiro está mais cauteloso na hora de gastar. E a diminuição do consumo já se reflete nas tradicionais datas comemorativas, período de maior aquecimento na economia com a troca de presentes. Uma sondagem feita para o Dia dos Namorados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em todas as capitais, mostra que neste ano 57,4% dos brasileiros pretendem presentear alguém na data e o valor total desembolsado com os presentes será, em média, de R$ 137,48, quantia inferior à apurada para o mesmo período de 2015, de R$ 150,82. Isso significa que, já descontada a inflação acumulada no período, a redução dos gastos neste ano deverá ser de 16,84%. Entre os consumidores da classe C, o valor médio total gasto com os presentes será ainda menor: R$ 129,77 contra R$ 166,51 das pessoas que pertencem às classes A e B.

De acordo com o levantamento, apenas 15,6% dos entrevistados planejam gastar mais com os presentes em 2016 do que no último ano. A maior parte (30,1%) ainda não sabe quanto irá gastar e 20,3% projetam diminuir seus gastos. Com menos sobras no orçamento e diante de preços mais salgados, os consumidores têm se mantido mais distantes dos centros de compras. Praticamente sete em cada dez pessoas ouvidas pela sondagem (67,5%) têm a percepção de que os presentes estão mais caros do que há um ano. Mais comedida, a maioria dos consumidores que pretendem presentear (82,8%), deve comprar apenas um presente para o parceiro.

Economizar é a principal razão para limite de gastos
Dentre os entrevistados que admitiram a intenção de gastar menos em 2016 (20,3%), a principal justificativa é a necessidade de economizar (19,2%), seguida pelo fato de estarem em uma situação financeira que julgam ruim (16,6%). Outras razões ainda lembradas são a inflação elevada e a instabilidade econômica (15,0%) e o endividamento (14,4%). Até mesmo entre aqueles que têm a expectativa de desembolsar mais neste Dia dos Namorados, a explicação não chega a ser positiva: 36,7% justificam os gastos mais elevados por conta do aumento da inflação.

“Considerando o fraco desempenho das outras datas comemorativas ao longo de 2015 e no início de 2016, a expectativa dos lojistas é baixa. A piora das condições econômicas, como o aumento do desemprego, da inadimplência e o crédito mais restrito, vem exercendo forte impacto sobre o consumidor, que acaba sendo obrigado a limitar e rever seus gastos para salvar as finanças. Quando o brasileiro precisa pagar contas atrasadas ou fazer ginástica para conseguir honrar seus compromissos financeiros, uma importante medida de contenção é evitar novos gastos e, nesses casos, presentear outras pessoas muitas vezes deixa de ser prioridade”, avalia o presidente da CNDL, Honório Pinheiro.

32% admitem gastar além das condições financeiras para presentear
Apesar da cautela dos consumidores na tentativa de escapar do endividamento, cresceu o número de entrevistados que manifestaram a intenção de recorrer ao cartão de crédito neste Dia dos Namorados. O pagamento à vista em dinheiro deve ser a forma de pagamento utilizada por quase metade (47,1%) dos entrevistados, mas o parcelamento no cartão de crédito passou de 15,7% das respostas no ano passado para 20,1% em 2016. Outras formas de pagamentos usuais neste ano deverão ser o cartão de crédito à vista (15,5%) e o cartão de débito (11,6%). “Em um momento em que as pessoas estão inseguras em seus empregos, comprar o presente à vista em dinheiro pode ser uma boa alternativa para fugir do endividamento. Entretanto, chama a atenção o crescimento na quantidade de quem vai parcelar. O ideal é evitar o abuso de parcelamentos para evitar o comprometimento da renda com prestações”, orienta a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

A pesquisa revela ainda que mesmo em um momento de grandes incertezas e pouco propício ao endividamento, quase um terço (32,2%) dos entrevistados admite que costuma gastar além das próprias condições financeiras com presentes para o parceiro ou a parceira. Do total de pessoas que vão presentear no Dia dos Namorados neste ano, 31,4% reconhecem que estão com o nome sujo.

Outro dado que serve de alerta é que as compras do Dia dos Namorados do ano passado deixaram um em cada dez (10,5%) entrevistados com o nome inscrito em cadastros de inadimplentes.

Roupas e shopping lideram preferência
As roupas serão o principal item escolhido para presentear no Dia dos Namorados deste ano, com 34,3% de preferência dos entrevistados. Apesar da liderança, houve queda no percentual: ano passado as roupas tinham a preferência de 46,5% dos consumidores ouvidos. Em segundo lugar aparecem os perfumes e cosméticos (24,9% contra 22,2% em 2015), seguidos pelos calçados (12,5% contra 22,2% ano passado), jantares (11,3% frente a 8,1% em 2015) e chocolates (8,8% contra 7,2% em 2015). Acessórios como cintos, bijuterias, óculos e relógios, por exemplo, que estavam em quarto lugar no ranking dos presentes mais procurados do ano passado (10,3%), caíram para o nono lugar da lista deste ano, com apenas 6,4% de menções.

Já os produtos mais desejados para 2016, ou seja, aqueles que os entrevistados gostariam de ganhar na data, são: roupas (24,5%), perfumes e cosméticos (18,5%), calçados (17,2%) e celulares (13,6%). Segundo a sondagem, oito em cada dez entrevistados (81,4%) esperam ganhar algum presente.

O shopping center (37,7%) se destaca como o principal local de compra para este Dia dos Namorados. Logo em seguida estão as lojas virtuais (16,5%), shoppings populares (16,4%), lojas de departamento (15,4%) e lojas de rua (11,3%). “A preferência pelos shoppings deve-se à facilidade de estacionamento e à segurança que estes locais oferecem. Além disso, esses estabelecimentos concentram uma grande variedade de lojas em um único lugar. Já a significativa presença das vendas online deve-se muito à praticidade da rede, que acaba atraindo o interesse das pessoas, além de favorecer a pesquisa de preços em diversas lojas”, explica a economista.

A comemoração da data será feita principalmente em casa (49,3%), mas 18,5% pretendem sair para restaurantes. Quanto à data para realizar as compras, a maioria (56,4%) disse que iria realizá-las nesta primeira semana de junho, enquanto 17,8% somente no final de semana véspera do Dia dos Namorados. “Essa corrida às lojas de última hora é um hábito bastante típico do brasileiro que pode prejudicar as finanças pessoais. Comprar os presentes em cima da hora limita as opções e pode fazer com que o consumidor gaste mais do que deveria”, alerta Pinheiro.

Metodologia
A pesquisa do SPC Brasil e da CNDL serve de termômetro para o mercado varejista e revela como o consumidor brasileiro deve se comportar na semana que antecede o Dia dos Namorados. Para isso, foram ouvidos 601 consumidores de todas as capitais, gerando um erro máximo de 4,0% e confiança de 95%. A alocação amostral para cada capital foi proporcional ao tamanho da População Economicamente Ativa (PEA), de acordo com os parâmetros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanhaTodos os direitos reservados