Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Crédito, débito ou pré-pago? Qual o melhor para você

Crédito, débito ou pré-pago? Qual o melhor para você
16:00 pm ,1 de fevereiro de 2019

Crédito ou débito? A pergunta clássica na hora do pagamento é também uma das maiores dúvidas das pessoas quando o assunto é controle financeiro. Afinal, qual é a melhor opção? As duas modalidades de cartão estão, ao lado do pré-pago, em alta no Brasil. Apenas no primeiro semestre de 2018, as transações feitas por esta forma de pagamento movimentaram R$ 720 bilhões, um aumento de 13,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com a Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços). Entretanto, a similaridade entre as três categorias restringe-se apenas ao plástico. Cada uma delas possui características e peculiaridades diferentes. Confira:

Cartão de crédito é prático, mas exige controle total
Como o próprio nome diz, essa modalidade de pagamento trabalha com crédito disponibilizado por uma instituição financeira. Isso significa que o cliente terá um limite para poder gastar em suas compras, com a opção de parcelar os valores e pagar a fatura no mês seguinte. Dessa forma, o cartão de crédito traz conveniência e praticidade, permitindo que as pessoas consigam comprar itens mesmo que não tenham dinheiro disponível naquele momento.

Contudo, essa categoria de pagamento é indicada apenas para quem tem controle total sobre as finanças. Quem não consegue se planejar e costuma atrasar o pagamento da fatura vai sentir no bolso o alto valor dos juros. Como o pagamento é feito no mês seguinte, pequenos valores se acumulam – o que faz a dívida crescer feito bola de neve.

Cartão de débito não endivida, mas exige conta em banco
Já a modalidade de débito é uma alternativa para quem deseja utilizar cartão, mas não quer correr o risco de se endividar com faturas e taxas. Nesta opção, as compras sempre são à vista e a transação só é concretizada se a pessoa tiver saldo suficiente na hora de realizar o pagamento. Ou seja, se o valor disponível na conta for menor do que o preço do produto ou serviço, o pedido não é concluído.

É uma solução interessante para quem não tem controle financeiro, mas ainda assim apresenta uma desvantagem importante: o cartão de débito exige que a pessoa tenha uma conta corrente em banco para realizar as transações. Assim, por mais que esteja imune à fatura, vai ter que arcar com as tarifas bancárias de manutenção da conta.

Pré-pago é útil, prático e sem risco de endividamento
Por fim, a modalidade pré-pago é a opção mais recente e segura dentre as categorias de cartão. É totalmente indicado para organizar as finanças, fazer compras e realizar assinaturas, como serviços de streaming. Seu uso é recomendável para quem costuma gastar mais do que deve, já que o saldo limite será aquele que a pessoa define e deposita no cartão – com a vantagem de recarregá-lo sempre que desejar.

A questão mais importante é que não há risco de se endividar, uma vez que não lida com crédito e faturas. Também não é preciso ter conta em banco. Hoje, é possível adquiri-lo com fintechs, empresas especializadas em tecnologias de pagamento, com um processo simples e sem burocracia. Isso explica, portanto, porque o pré-pago é o modelo que mais cresceu entre os cartões no primeiro semestre de 2018, com elevação de 62,3% na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo a Abecs.

*Elvis Tinti é Sales & Marketing Executive Director da Acesso, empresa brasileira líder em serviços financeiros, emissão, processamento e gestão de cartões pré-pagos. Listada como uma das 10 maiores fintechs da América Latina em 2017.

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados