Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Cuidados necessários para investir com segurança em startups

Cuidados necessários para investir com segurança em startups
16:36 pm ,27 de junho de 2017

Investir em startups pode render muitos frutos, não importa o quanto de capital está sendo colocado na empresa. Diferente do que muitos pensam, o valor não precisa ser alto, qualquer um pode se tornar um investidor, mesmo com quantias baixas. No entanto, é preciso entender os riscos inerentes ao negócio.

Em geral, as startups são empresas de pequeno porte que, a partir de uma ideia de tecnologia inovadora, buscam espaço no mercado. É claro que se a tecnologia for realmente boa, o crescimento (e os lucros) podem ser acelerados. Mas por outro lado, a ideia pode ficar pelo caminho sem sucesso. Aí é que entra uma primeira grande questão: como fazer o investimento de forma segura?

Essa, no entanto, não é a única pergunta a ser respondida, há também o lado do dono do capital intelectual, aquele que teve uma grande ideia, iniciou a startup e está em busca de um investidor. Como ele pode receber este investimento e manter o seu negócio? Como proteger a sua ideia e a sua empresa?

Ajuda jurídica
O assunto é complexo, mas segundo o especialista em direito empresarial Vinícius Camargo Silva, da CSDS Advogados em Sorocaba, “este modelo de negócios vem crescendo e vemos, muitas vezes, uma cabo de guerra entre empreendedor e investidor, que decorre geralmente da ausência de regras. Sem regras, todo mundo quer ter razão. Nesse aspecto, existem mecanismos jurídicos para fazer a regulação entre as partes de forma que todos possam lucrar com a parceria”, avalia.

Os investimentos em quaisquer atividades econômicas exigem planejamento. No campo da organização de negócios esse planejamento passa necessariamente pelos contratos, que vão desde o contrato de investimentos até o modelo societário que será adotado.
Com isso, tanto investidores como os empreendedores que recebem os aportes de capital, constroem a empresa com regras claras desde o início do negócio, o que evita conflitos e mitiga riscos.

Organização empresarial
Com uma estrutura definida pelo acordo entre empreendedor e investidor, é hora de organizar a empresa para que a startup renda os resultados esperados. É necessário ter com clareza qual é o papel de cada um na empresa. Isso pode parecer básico, mas a indefinição sobre, por exemplo, de quem é o poder de decisão, de como serão divididas despesas e lucros e de como serão as funções administrativos dentro da equipe podem levar o negócio ao fracasso. Clareza na definição dos papéis dentro da empresa é fundamental.

É importante também lembrar que quando o assunto é tecnologia, questões como patentes, domínios, direitos autorais e propriedade intelectual têm que ser levadas em conta. Proteger a ideia inicial é manter o “coração e a alma” de uma startup e este é um diferencial competitivo que não pode ser esquecido.

“Uma grande ideia aliada com aporte sustentável de verbas, regulamentação responsável entre todos os interessados e gestão inteligente fazem parte da receita do sucesso para este tipo de negócio. Se qualquer um destes elementos for ignorado a startup corre riscos que poderiam ser evitados”, finaliza Vinícius Camargo Silva.

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados