Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Minas Gerais tem melhor saldo do país na criação de empregos

Minas Gerais tem melhor saldo do país na criação de empregos
16:00 pm ,21 de junho de 2017

Minas Gerais fechou o mês de maio com saldo positivo de 22.931 novos postos de trabalho, segundo dados do Cadastro geral de Empregados e Desempregados, divulgado nesta terça-feira (20) pelo Ministério do Trabalho. O resultado foi o melhor entre todos os estados brasileiros no mês. O saldo positivo de Minas Gerais foi gerado pela diferença entre 159.198 contratações e 136.267 demissões, representando um crescimento de 0,58% em relação ao mês de abril.
O resultado foi motivado, principalmente, pela expansão dos setores de Agropecuária (+18.727 postos), Serviços (+2.012 postos), Indústria de Transformação (+ 1.546 postos) e Construção Civil (+ 919 postos).

A Região Metropolitana de Belo Horizonte teve saldo positivo de 987 postos criados, registrando 48.919 contratações e 47.932 demissões. Já no interior de Minas Gerais, o saldo positivo foi de 21.944 novas vagas – resultado de 110.279 admissões e 88.335 demissões.

Segundo o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, a geração de empregos em Minas Gerais mostra que o país está no caminho certo da retomada do crescimento. “Esse saldo positivo de Minas Gerais reflete o sucesso das medidas econômicas adotadas pelo governo. Tenho certeza de que o crescimento continuará nos próximos meses, com a abertura de mais vagas”, diz o ministro.

Crescimento nacional

Pelo segundo mês consecutivo e pela terceira vez este ano, o Brasil teve saldo positivo na geração de empregos. Segundo dados do Caged, 34.253 novos postos de trabalho formal foram abertos em maio, um aumento de 0,09% em relação a abril. O resultado também foi positivo se considerados os números de janeiro a maio. No acumulado do ano, houve um crescimento de 48.543 postos de trabalho, representando uma expansão de 0,13% em relação ao estoque de empregos que havia em dezembro de 2016.

O ministro Ronaldo Nogueira avalia que, aos poucos, o país vem recuperando os empregos fechados nos últimos anos devido às crises econômica e política registradas no país. “O governo federal tem feito um esforço grande e constante para adotar medidas que incentivem a geração de empregos. E o resultado nós temos visto no desempenho do Caged desde o ano passado, mas, sobretudo, nos últimos meses”, afirma.

Setores
Dos oito principais setores da economia, quatro tiveram desempenho positivo. O principal foi a Agropecuária, que gerou 46.049 novos postos de trabalho, um crescimento de 2,95%. As culturas responsáveis por esse resultado foram o café, sobretudo em Minas Gerais; a laranja, em São Paulo; e a cana-de-açúcar, em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Os outros setores com performance positiva foram os Serviços, que tiveram acréscimo de 1.989 postos (+0,01%); a Indústria de Transformação, com 1.433 vagas a mais (+0,02%); e a Administração Pública, que gerou 955 vagas formais (+0,11%). Tiveram saldo negativo o Comércio, que fechou 11.254 postos (-0,13%); a Construção Civil, com 4.021 vagas a menos (-0,18%); a Indústria Extrativa Mineral, com resultado negativo de 510 postos (-0,26%); e os Serviços Industriais de Utilidade Pública, que fecharam 387 vagas (-0,09%).

Desempenho regional
A região que mais gerou empregos em maio foi a Sudeste, com a criação de 38.691 postos de trabalho formal. Os estados que se destacaram foram Minas Gerais, que teve saldo positivo de 22.931 postos, e São Paulo, que gerou 17.226 novas vagas. Esses resultados se devem principalmente ao aumento na oferta de vagas formais na Agropecuária, Serviços e Indústria.
A segunda região com maior crescimento no nível de emprego foi a Centro-Oeste, com acréscimo de 6.809 postos, seguida da Nordeste, com saldo positivo de 372 vagas. Em contrapartida, houve retração nas regiões Norte (-1.024 postos) e Sul (-10.595).

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados