Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

Scroll to top

Top

Queda do dólar incentiva viagem para o exterior

Queda do dólar incentiva viagem para o exterior
16:00 pm ,5 de julho de 2016

Para a Ourominas, empresa que atua no segmento de câmbio turismo e ouro, as perspectivas para os brasileiros que pretendem viajar para o exterior nas férias de julho melhoraram. Com o recuo recente na cotação do dólar, os Estados Unidos e outros destinos que aceitam a moeda norte-americana ficaram mais acessíveis ao turista. Apesar de estar entre as moedas mais caras, perdendo apenas para a libra esterlina, o euro e o franco suíço, o dólar foi a moeda estrangeira mais procurada pelos brasileiros nos últimos 12 meses, seguida pelo euro.

“Se os Estados Unidos e a Europa eram os destinos preferidos dos brasileiros quando suas moedas estavam mais caras, agora, que o dólar recuou, a procura para esses lugares deve aumentar com a chegada das férias de julho”, comenta Mauriciano Cavalcante, diretor de câmbio da Ourominas, ao lembrar que outros destinos também devem se manter aquecidos, caso da Argentina, Colômbia, México, Canadá, Uruguai, Chile e Austrália.

Dentre as viagens internacionais, os destinos latino-americanos possuem o melhor custo-benefício. De acordo com Cavalcante, as cinco moedas mais baratas no mercado de câmbio atualmente são o peso colombiano, chileno, mexicano, uruguaio e argentino, nessa ordem.

Para quem quer viajar em julho, a primeira dica é adquirir aqui no Brasil as moedas estrangeiras, de preferência, aquelas dos países a serem visitados. Por exemplo, optar pela libra no caso de viagens à Inglaterra, em vez do dólar ou do euro, é a melhor pedida. Da mesma forma, para quem viaja à Argentina ou ao Chile, é mais econômico comprar diretamente o peso argentino ou chileno.

“É interessante, inclusive, pagar o hotel com a moeda local, assim o turista desembolsa uma quantia certa e não fica sujeito à variação do câmbio atrelado aos pagamentos realizados com cartão de crédito”, explica Cavalcante. Inclusive, para gastos altos, o diretor de câmbio da Ourominas, indica o uso do cartão pré-pago, que é mais seguro.

O cartão pré-pago da Ourominas carrega dólar americano, euro e libra, separadamente, e é mais vantajoso do que o de crédito por vários fatores: a autorização de compras e saques é feita mediante o saldo disponível, e não de acordo com o limite como do cartão de crédito; a transação é realizada em moeda local sem conversão e não há cobrança de variação cambial. No entanto, tanto sobre ele quanto sobre o cartão de crédito incide a alíquota de 6,38% do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), muito maior do que aquela paga na compra de moeda em espécie, que é de 1,1%.

Para quem já está de viagem marcada e não tem mais tempo de fazer compras fracionadas de moeda, a solução é descobrir os melhores preços do mercado e comprar o que for necessário para a viagem. Nesse aspecto, a Ourominas é bastante competitiva, assegurando a melhor cotação ao cliente, que ainda tem a opção de receber a moeda em casa e revendê-la para a empresa, no caso de sobra na volta da viagem.

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanhaTodos os direitos reservados