Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

Scroll to top

Top

Senõr Tango e uma noite entre amigos em Buenos Aires!

Senõr Tango e uma noite entre amigos em Buenos Aires!
17:10 pm ,29 de julho de 2016

por Alessandra Espanha

Um dos shows mais badalados e prestigiados de Buenos Aires é o Señor Tango. Em recente visita à Argentina, eu tive o prazer de apreciar esse belíssimo show na companhia de grandes amigos, Adrian Nogueira e sua esposa Adriana. A tradição e a história local garantem que o espetáculo envolva e prenda a atenção do público durante a noite toda.

A história do Señor Tango começa em 1996, na capital da Argentina quando uma tradicional família de imigrantes italianos chega com seus baús cheios de lembranças da terra natal, alguns poucos objetos pessoais e muitas ilusões. Instalaram-se muito perto do porto, em Barracas, bairro tradicional, de pessoas de trabalho, indústrias e fábricas; no coração das cinco esquinas em frente à velha estação. Na época construíram um grande armazém de secos e molhados que com o tempo foi um dos maiores e mais prestigiosos batizado de “Almacenes Brenta y Roncoroni”.

O armazém com arquitetura tradicional, a cargo de um dos fundadores, contempla tetos abobadados, colunas de ferro, pisos de paralelepípedo de quebracho-vermelho, três níveis e detalhes de enorme solidez quanto à sua estrutura.

Respeitando a visão dos que o criaram, inspirado pelo lugar e interpretando talvez esses mesmos sonhos, Fernando Soler o recicla integralmente conservando intacta a estrutura. A casa “tanguera” e seu dono, Fernando Soler, já receberam diversos prêmios dos numerosos espetáculos. Com quase 50 anos de trajetória, Fernando Soler começou a sua carreira como cantor com menos de dez anos de idade. É uma das poucas personalidades tangueras que se apresentou no grandioso Teatro Colón.

Logo na entrada de Señor Tango percebe-se a elegância e o bom gosto da refinada decoração, recriando a essência daqueles locais onde começou a brilhar o tango com todo seu esplendor. O antigo armazém de secos e molhados hoje é um maravilhoso teatro ao que muitos batizaram como “A Catedral do Tango”, a maior casa de espetáculos de Buenos Aires, onde o tango é o protagonista indiscutido.

Muito chique e altamente decorado, o salão possui três níveis e uma pista redonda central. O bom atendimento ainda é possível em Buenos Aires comprovado pelos garçons cordiais e gentis que fazem amizade fácil com os clientes que vão chegando.

Às 20h as portas se abrem e os comensais são acompanhados até as suas mesas, todas elas compartilhadas. O menu executivo inclui uma mini pizza de cortesia, seguido por um jantar em três passos: crepe de espinafre com molho de tomate e prato principal a escolher: contra filé, frango ou truta. Os adoradores da carne argentina devem prestar atenção: o contra filé a maioria das vezes é servido mal passado. Melhor acertar sua preferência junto com o garçom antes de fazer o pedido.

Às 22h15 inicia-se a apresentação com a imponente entrada de um índio e um gaúcho, os dois a cavalo, representando a histórica luta entre as duas culturas. A posterior aparição de cinco duplas de dançarinos inicia uma dança telúrica, com claras amostras do folclore argentino. Seis compadritos vão chegando ao meio do palco e começa-se o tango homenageando Aníbal Troilo Silbando, com uma composição de Carlos Gardel que faz menção ao bairro de Barracas (o que logicamente combina com a localização geográfica de Señor Tango) é um dos primeiros tangos a chegar.
A iluminação de cada mesa muda conforme a dinâmica do espetáculo, a jovem e talentosa orquestra ataca com Canción Desesperada (de Enrique Santos Discépolo), La Última Copa (Carlos Gardel) e El Corazón al Sur (escrita por Eladia Blázquez). A proximidade entre a audiência e os artistas permite sentir na própria pele a inegável sensualidade do 2×4.Com a execução de Fuga y Mistério (um instrumental de Astor Piazzolla), o grupo de músicos mostra competência e anuncia o fim da primeira parte do espetáculo.

Na segunda parte da apresentação Fernando Soler, dono de casa, faz sua entrada e também o show. Assumindo o controle total da situação, ele canta, e conta, a história do Tango. E ao mesmo tempo seduz a audiência com a sua potente voz e impecável presença cantando Madame Yvonne (um clássico imortalizado pelo eterno Julio Sosa), Uno (de Discépolo e Mariano Mores) e Por uma Cabeza (composta por Gardel e o brasileiro Alfredo Le Pera).

Durante a interpretação acontece um dos momentos mais descontraídos do show com a música A Media Luz, onde Fernando Soler começa interagir com o público, fazendo perguntas e brincadeiras aos espectadores. Se você escolher uma mesa perto do palco, prepare-se: pode virar uma alegre, porém indefesa vítima do afiado senso de humor do anfitrião do Señor Tango! Depois de cantar Pasional, o diretor e produtor da obra finalmente se despede do auditório, enquanto soam os primeiros acordes de Primavera Portenha (mais uma composição de Piazzolla).

Após a retirada do palco do mestre de cerimônias é a vez da espetacular coreografia, vibrante o tempo todo, de mostrar um toque de precisão circense. Nesse instante, os membros do corpo de baile de Señor Tango executam um atraente número de dança aérea, equilibrados com contrapesos humanos.

Sobre uma versão fortemente remixada de Libertango um grupo só de mulheres (extremamente sensuais) deleita a plateia com uma apresentação mais do que insinuante, quase beirando com o erotismo. Uma proposta de alta voltagem, mas com final feliz: tudo acaba com uma rosa na mão da bailarina principal!

No “Grand Finale” ainda tem mais!
O bônus é a atuação da orquestra do mestre Ernesto Franco. Ele e os oito integrantes do conjunto deleitam a audiência fechando a função com muito estilo: La Cumparsita (o Tango mais difundido pelo mundo, escrito por um uruguaio: Gerardo Matos Rodríguez). O resultando da apresentação, um pouco óbvio, com uma versão de No Llores por mi, Argentina (uma peça omnipresente na maioria dos shows portenhos).

Na saída, uma fila de garçons cumprimenta a cada um dos convidados que vão se retirando lentamente. Sim, tudo acabou. Mas a magia e a emoção do Señor Tango não desaparecem tão fácil assim…

Señor Tango
Vieytes 1655, Barracas
Cidade de Buenos Aires
Todos os dias. Jantar às 20h30 e Shows a partir das 22h15

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanhaTodos os direitos reservados