Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Vacinas importantes durante a vida adulta

Vacinas importantes durante a vida adulta
17:00 pm ,8 de dezembro de 2015

O ato de vacinar é a forma mais fácil de proteger o organismo contra doenças infecciosas potencialmente graves e de prevenir que essas doenças sejam transmitidas a outras pessoas. Por isso, o Centro Médico Varginha listou as principais vacinas que devem ser tomadas durante a vida adulta.

Conheça as principais vacinas que devem ser tomadas de acordo com as faixas etárias:

19 a 49 anos:

Difteria e tétano (dt) — uma dose a cada dez anos. Existe a opção da vacina DPTA, que protege também contra a coqueluche e causa menos efeitos colaterais do que versões anteriores.

HPV – três doses da vacina até os 26 anos de idade. É importante lembrar que ela deve ser tomada por homens e mulheres. É contraindicada para gestantes. Existem dois tipos da vacina disponíveis no Brasil. Em uma delas, há imunização contra os tipos 6, 11, 16 e 18 de HPV — a segunda dose é dada dois meses após a primeira, a terceira, seis meses após a segunda (0-2-6 meses). Na segunda versão da vacina, há proteção contra os tipo 16 e 18 de HPV — a segunda dose deve ser tomada um mês depois da primeira, a terceira, seis meses após a segunda (0-1-6 meses).

Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) — uma dose, mesmo quem já tenha tomado na infância. É contraindicada para gestantes e para pessoas com imunodeficiência.

Varicela — duas doses, com intervalo de três meses entre elas, para quem nunca tomou. Costuma ser indicada para adultos por ser uma vacina recente — muitas pessoas não a tomaram na infância. É contraindicada para gestantes e pessoas com imunodeficiência.

Hepatite A – duas doses, com intervalo de seis meses entre elas, para quem não tomou durante a infância ou nunca teve a doença.

Hepatite B — três doses, para quem não tomou durante a infância ou nunca teve a doença. A segunda dose deve ser tomada um mês após a primeira, a terceira, seis meses após a segunda (0-1-6 meses).

Meningocócica — uma dose.

Influenza — doses anuais.
50 a 64 anos

Difteria e tétano (dt) — uma dose a cada dez anos

Hepatite A — duas doses, com intervalo de seis meses entre elas, para quem não tomou ou nunca teve a doença.

Hepatite B — três doses, para quem não tomou ou nunca teve a doença. A segunda dose é dada um mês após a primeira, a terceira, seis meses após a segunda (0-1-6 meses).

Influenza — doses anuais.

Pneumocócica — uma dose, a partir dos 60 anos.

A partir de 65 anos

Difteria e tétano (dt) — uma dose a cada dez anos.

Hepatite A — duas doses, com intervalo de seis meses entre elas, para quem não tomou ou nunca teve a doença.

Hepatite B — três doses, para quem não tomou ou nunca teve a doença. A segunda dose deve ser tomada um mês após a primeira, a terceira, seis meses após a segunda (0-1-6 meses).

Influenza — doses anuais.

Pneumocócica — uma dose para quem tomou a primeira aos 60 anos, ou duas doses com intervalo mínimo de cinco anos entre elas.

É importante lembrar que o tempo de ação é variável de acordo com cada vacina. E, como qualquer outra substância, a vacina pode apresentar efeitos colaterais, como por exemplo, reação de hipersensibilidade aos componentes da vacina. Indivíduos com deficiência imunológica grave devem procurar um médico antes de tomar qualquer vacina.

Centro Médico Varginha 
Rua Thomaz Silva 150 –  Jardim Petrópolis Varginha-MG ( Hospital Humanitas)
35 3212-4886

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados