Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Você conhece a relação entre menopausa, intestino e autoestima?

Você conhece a relação entre menopausa, intestino e autoestima?
16:00 pm ,5 de fevereiro de 2019

A constipação intestinal ou prisão de ventre (dificuldade na defecação, fezes duras e secas e defecação incompleta) é uma queixa frequente entre mulheres, que afeta diretamente o humor.

Qual a ligação do intestino com o humor?
Na menopausa o funcionamento do intestino é mais lento, e isso faz com que a mulher produza mais gases, sinta-se inchada, com dor abdominal, dor de cabeça, todos esses sintomas afetam diretamente o humor.

“O intestino tem comunicação direta com o cérebro, em especial na área que controla o humor. Quando o funcionamento intestinal não está adequado, ocorre um desequilíbrio entre as bactérias boas e as não tão boas. Desta maneira, há produção de substâncias pelas bactérias intestinais “não tão boas”, que enviam sinais para o cérebro, em região que controla o humor, disposição física e mental. Com isso, a mulher sente-se desmotivada, o que afeta diretamente a autoestima”, explica Eliana Louzada, Doutora em Nutrição Aplicada Humana e professora de Pós-Graduação da Universidade Candido Mendes.

Vale ressaltar que a autoestima é formada ao longo da vida e é influenciada pelo meio social, críticas e experiências, tanto negativas quanto positivas. A autoestima não é decorrente de um único problema psicológico como depressão, ansiedade, medo do sucesso, ou ainda algum tipo de trauma na infância. Todos esses pontos quando analisados isoladamente não podem caracterizar a baixa autoestima. Desta maneira, a constipação intestinal é um dos contribuintes para uma baixa autoestima já existente.

Uma das maneiras de contornar a constipação intestinal é o consumo de vegetais, legumes e frutas frescas, em pelo menos 2 refeições ao dia. Porém, muitas mulheres quando consomem mais de um vegetal em uma mesma refeição, também se sentem inchada, com gases e prisão de ventre. Isso acontece pela mistura de vários tipos de fibras contidas nos alimentos. Uma estratégia para melhorar esse quadro é o consumo de apenas 1 tipo de vegetal a cada refeição, e a observação do funcionamento intestinal. Assim, gradativamente poderá ser feita a inclusão outros vegetais.

“A alimentação é a base para o bom funcionamento de todo organismo, para a prevenção de doenças, e ainda para a saúde mental”, comenta Eliana.

Eliana Louzada é professora de diversos cursos de pós-graduação da Universidade Candido Mendes.

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados