Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Austrália: um exemplo de mobilidade para o mundo

Austrália: um exemplo de mobilidade para o mundo
17:00 pm ,25 de janeiro de 2018

A Austrália, de primeira, impressiona qualquer um. País belo por natureza, com um desenvolvimento econômico impecável, onde situa duas das melhores cidades do mundo pra se viver, e também impressiona pela mobilidade urbana.

O trânsito em cidades pequenas – Gold Coast / Brisbane, ou em cidades grandes – Sydney / Melbourne, é absolutamente organizado. Sem correria, respeito ao pedestre, as leis de trânsito, motociclistas e ciclistas. Para os motociclistas é permitido que pilotem pelo “corredor” quando o sinal está fechado. Não há ruas em que não tenha ciclovia ou até mesmo uma faixa exclusiva para os ônibus.

O transporte público é algo que não se é barato, mas vale a pena por funcionar muito bem, excluindo a necessidade de um veículo próprio por problemas de mobilidade pública. E existem quatro tipos pelas cidades: ônibus, bonde, trem e balsa – Sydney. Você pode optar em ter um cartão de recarga ou comprar tickets a cada embarque. O valor das passagens é cobrado por zona, o que depende de cada cidade. No estado de Queensland (Gold Coast) onde moro, o valor mínimo de uma passagem pelo cartão de recarga é de AUD$ 2.56, o que difere do ticket em torno de AUD$4.50, dependendo da zona. Para estudantes e idosos o valor da passagem cai pela metade. Caso a pessoa opte por comprar o ticket, o mesmo vale por três horas, podendo ser reutilizado, dentro desse período, quantas vezes se fazer necessário. A diferença de preço entre cartão de recarga e ticket se dá exatamente para incentivar a compra do cartão, vendido a AUD$5.00 em qualquer 7/Eleven do estado e recarregável em qualquer estação de transporte.

Tal incentivo resulta em um uso mais frequente do transporte público, mesmo em até outras cidades do mesmo estado, por ser da mesma companhia. O que eles chamam aqui de “Freeloader”, trapaceiro para nós, não é permitido. A cada bonde que passa de 7 em 7 minutos, há uma patrulha de polícias ou agentes de trânsito para verificar se você está embarcando com um ticket ou cartão valido. Caso um Freeloader é encontrado, o mesmo recebe uma multa de AUD$274 por estar infringindo a lei do país. O mesmo ocorre para qualquer cidade da Austrália.

E por falar em tempo, cada tipo de transporte tem o seu. Indo de 7 em 7 minutos pelo bonde, ou de 15 em 15 minutos pelo ônibus, de 30 em 30 minutos pelo trem ou de 15 em 15 minutos pela balsa, cada um é super pontual e caso haja algum atraso, na estação de embarque/ desembarque, há informantes e informativos sobre o atraso. E quando há algum problema que bloqueie completamente o funcionamento do transporte público, quando solucionado, os embarques são gratuitos para todos os usuários; sendo gratuito também, quando há grandes eventos pela cidade. Você pode ir conferindo o tempo de chegada e trajetória do transporte por meio de aplicativos disponíveis de graça para androide e IOS ou em telões instalados no interior do veículo.

Em cada veículo há uma entrada exclusiva para cadeirantes, sendo a mesma automática. Se necessário, há um botão a ser acionado do lado de fora dos bondes. Em caso de trens, ônibus e balsa, há sempre vários agentes de transito de prontidão a disponibilizar uma rampa.

Em Sydney, estado de New South Wales, o transporte público aos domingos é gratuito para todos. Já em Gold Coast, estado de Queensland, após ao 9º embarque na mesma semana o valor da passagem cai pela metade, e para estudantes e idosos fica ainda mais barato.

Como já dizia Oskar Coester: Não existe modalidade de transporte que isoladamente resolva todos os problemas. Levando-se em conta que as três variáveis mais importantes na mobilidade são: a acessibilidade, o tempo de espera e a velocidade do equipamento, não adianta termos uma ou duas delas se não tivermos a terceira.

Austrália sendo maravilhosa, mais uma vez!!

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados