Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Conheça os cinco erros mais comuns de vendedores varejistas

Conheça os cinco erros mais comuns de vendedores varejistas
17:56 pm ,31 de outubro de 2019

*Alessandro Silveira

Vender no varejo não é fácil, são muitos os pontos que devemos tomar atenção. Taxas de marketplace, concorrência, embalar pacotes e assim por diante. São tantos os focos que devemos dar que acabamos cometendo alguns erros que podem ser prejudiciais para o negócio. Com isso em mente, nós separamos os cinco maiores erros que um lojista pode cometer no varejo.

1.Rateio de custos fixos no preço: amplamente difundido pela contabilidade, ratear o custo fixo é uma prática que visa levar os custos fixos do negócio até o cliente, através do preço de venda. No entanto, no varejo, esse método não se mostra tão eficiente assim, a medida em que lidamos com um mercado bastante competitivo.

Quando olhamos por essa perspectiva, o rateio de custos se torna uma verdadeira armadilha, a partir do momento em que temos grandes comércios com uma estrutura de custos alta competindo contra pequenos e médios empresários, com baixíssimos gastos.

2.Não apurar a margem de contribuição: caso você não saiba o que é a margem de contribuição, esse indicador é a margem de lucro bruto das vendas. Esse lucro é encontrado após subtraírmos do preço de venda, os seus custos e despesas variáveis. Dessa forma, margem de contribuição = preço de venda – custos e despesas variáveis.

A partir desse lucro, temos uma visão clara do valor que será utilizado para pagar os nossos custos fixos. Assim é possível ajustar a nossa margem de contribuição para que o nosso preço de venda seja competitivo e claro, consiga contribuir para pagar os nossos gastos.

Um problema comum no varejo é acreditar que possui uma margem de lucro, quando na verdade ela é outra ou até negativa. E da mesma forma que podemos analisar a margem de apenas uma venda, podemos fazer o mesmo para todo o negócio, analisando o faturamento e geração de lucro, com a margem total.

3.Crescimento insustentável: a grande maioria dos lojistas acreditam que a palavra da vez no varejo é “vender”. Essa palavra é sim importante, mas ela deve vir acompanhada de um mix de outros termos, como gestão e processos para então construir uma base sólida para aumentar cada vez mais o volume de vendas, sem que hajam problemas financeiros.

Além disso, para crescer de forma saudável, é preciso monitorar indicadores como o capital de giro, lucratividade e rentabilidade. Esses três indicadores vão poder te dizer se o caminho financeiro está correto.

4.Controle do capital de giro: o capital de giro é outro indicador fundamental para quem vende no varejo e frequentemente esquecido. Basicamente, ele mede o capital necessário para manter todos processos da loja, em dia. Como a reposição de estoque, por exemplo. A maneira como compramos os nossos produtos e os vendemos vai impactar diretamente neste indicador.

Logo, rodar a operação da empresa sem ter controle sobre o capital de giro, e nem utilizá-lo como meta, é um enorme erro.

5.Métricas de vaidade: gerir a sua loja utilizando métricas de vaidade para mensurar a saúde do negócio é o último erro comum, principalmente se não for utilizado um processo de gestão financeira claro.

Basicamente, esse termo se refere a indicadores que mascaram a real situação financeira, como o faturamento e outros. Como nós vimos até então, podemos realizar uma venda e gerar receita, mas do que adianta realizá-la se não há lucro? Do que adianta dobrar o faturamento, se o capital de giro for o responsável pela quebra financeira do negócio? Não é interessante faturar 1 milhão de reais e ter ao final do mês apenas R$10.000,00 de lucro líquido, estamos falando de uma lucratividade de apenas 1%. Ou seja, para cada real faturado, a loja teria apenas R$0,01 de lucro líquido.

E para contornarmos essa situação, precisamos ter em mente que apenas o faturamento não é importante, ele precisa vir acompanhado de outros indicadores como a margem de contribuição e o capital de giro, por exemplo. Partindo destes, será possível mensurar esforços e vender de forma saudável. Não é a toa que faturamento é ego, lucro é ponto de vista e caixa é realidade.

Sobre Alessandro Silveira – é formado em Administração e Comércio Exterior pela FESP. É sócio fundador do Ideris. Possui especialização em Administração pela New School University em Nova York. Passou mais de 20 anos no campo de logística internacional trabalhando em diversos projetos e setores por todo o mundo. Trabalhou na MAERSK como Gerente de Desenvolvimento de Novos Negócios. Na CNH, divisão agrícola da Fiat Chrysler, ocupou o cargo de gerente de Inbound. Morou 10 anos em Nova York, onde criou uma empresa de importação e distribuição de componentes para indústria moveleira. Também foi responsável pelo transporte de carga para ajuda humanitária para o WFP (World Food Programme) da ONU.

Sobre o Ideris – O Ideris é uma plataforma de integração multicanal focada em oferecer soluções inovadoras para quem vende em marketplaces. Lançado em setembro de 2017, rapidamente assumiu lugar de destaque e hoje é reconhecido como um dos melhores integradores do Brasil. Com forte DNA de e-commerce, a empresa é focada em entender seus clientes e antecipar tendências.

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados