Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Número de inadimplentes cresce 4,39% em junho, aponta SPC Brasil

09:44 am ,16 de julho de 2014

O número de pessoas inadimplentes registradas no banco de dados do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) apresentou desaceleração e cresceu 4,39% em junho deste ano, em relação a junho de 2013. O indicador mensal de inadimplência do consumidor tem abrangência nacional e calcula tanto o número de brasileiros inadimplentes quanto a quantidade de dívidas em atraso.

Os dois órgãos apontam que, apesar do número de pessoas com parcelamentos em atraso ter crescido em junho, o resultado do pelo indicador representa a interrupção de uma trajetória de consecutivas acelerações da inadimplência, iniciada desde o começo deste ano.

Para o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior, ainda que o indicador tenha mostrado uma acomodação, o atual contexto macroeconômico de juros altos e de inflação elevada não colabora para reverter a tendência de alta dos próximos meses.

“O consumidor endividado fica praticamente sem perspectivas ao ver a própria renda perder valor com a aceleração da inflação. Além disso, a alta dos juros contribui para encarecer o valor das parcelas dos financiamentos”, diz ele.

Na variação mensal, o número de consumidores com parcelamentos em atraso recuou 4,95% em junho com relação a maio deste ano. Na avaliação dos economistas do SPC Brasil, a queda verificada em junho pode ser pontual e não deve se repetir ao longo dos meses seguintes.

Segundo Marcela Kawauti, economista do SPC Brasil, “é preciso aguardar os desdobramentos do indicador daqui pra frente para se chegar a uma avaliação mais clara”.

Dívidas em atraso mantêm crescimento
A quantidade de dívidas em atraso no banco de dados do SPC Brasil mostrou, em junho, aumento de 5,0% em relação ao mesmo mês de 2013. A variação ficou muito próxima à alta de 5,21% que já havia sido verificada no mês anterior.

Os analistas das duas entidades explicam que o número de dívidas ainda não pagas mantém o patamar de crescimento anual por volta de 5,0%, o que vem sendo verificado desde abril de 2014.

“A tendência do indicador é de alta, e assim como acontece no indicador de pessoas inadimplentes, este comportamento deve se repetir ao longo dos próximos meses”, explica Marcela Kawauti.

Comentarios

Comentarios

Copyright © 2015 WEspanha. Todos os direitos reservados